Venezuela: Dona Bárbara

Resenha nº 7: Dona Bárbara – Rómulo Gallegos

Cá estamos novamente, com a resenha da  obra venezuelana Dona Bárbara, escrita por Rómulo Gallegos. Percebi que algumas pessoas têm interesse no livro, mas têm dificuldade para encontrar, então vou deixar aqui o link para a Amazon, o livro vale mesmo à pena.

Eu estava ansiosa para ler o livro devido à biografia do autor, que foi presidente da Venezuela em 1948. Porém, ele governou o país por 9 meses apenas, pois foi derrubado por um golpe militar no mesmo ano.

O livro é um romance maravilhoso ambientado no interior da Venezuela, na planície do Arauca, lugar de criação extensiva de gado. Naquela região, imperava o ditado de que o mais forte sobrevive. Os conflitos são resolvidos na base da violência e a lei era bastante flexível. Um certo Evaristo Luzardo, caminhante errante por aquelas bandas, fundou por lá sua fazenda: Altamira. Suas terras se estendiam por muitos quilômetros, era extremamente rica.

Devido à uma briga de família após a morte de um dos Luzardo, parte de Altamira tornou-se Barcarenha, dando início a um conflito que teria continuidade através dos anos. Daí conhecemos o personagem principal: doutor Santos Luzardo. Santos se mudou com sua mãe para Caracas quando era adolescente, para fugir das lembranças ruins da fazenda.

Na cidade, Santos estudou e se formou advogado, tornando-se um homem “civilizado” e muito correto na aplicação das leis. Nesse meio tempo, a fazenda esteve abandonada nas mãos de administradores de reputação duvidosa, descuido que permitiu a ascensão da personagem que dá título ao livro:  dona Bárbara.

Bárbara é uma mulher de origem indígena abençoada com a beleza, despertando a inveja das mulheres e a luxúria dos homens. Ela cresceu no meio da violência da região, o que a fez suprimir certos sentimentos e agir com poucos escrúpulos, transformando-se em uma criatura perigosa.

“No mais profundo de suas tenebrosas recordações, nos primórdios da consciência, via-se uma embarcação sulcando os grandes rios da selva do Orenoco. Eram seis homens a bordo e ao capitão ela chamava o ‘taita’, o paizinho, mas todos eles – à exceção de Eustáquio – brutalizavam-na com idênticas carícias: rudes apalpadelas, beijos que sabiam a aguardente e a chimó, a mistura de fumo com sal que a gente do povo masca.”

Com sua beleza, a mulher seduziu o dono de Barcarenha, Lorenzo. Por acaso, ela conheceu Apolinário, um homem que propôs um golpe para passar à Bárbara a propriedade do fazendeiro. É claro que no plano original a mulher não teria posse de nada, mas as coisas não correram exatamente assim.

Após dispensar Lorenzo, dona Bárbara tomou Apolinário como seu amante e deu cabo dele assim que este começou a lhe trazer ameaça. Depois dele vieram vários outros amantes, homens que eram usados em seus propósitos de conquistar o vale, em especial Altamira.

Bárbara era uma mulher capaz de laçar e capturar um touro como qualquer homem da região, seu poder era tão grande que ela escrevia leis, roubava gado e avançava os limites da Barcarenha a seu bel-prazer. Ela era muito temida e propagava a violência a que foi a submetida durante toda a sua vida. Apesar da falha de caráter, ela é um exemplo de mulher forte na literatura, sendo descrita como uma força da natureza.

Quando Santos Luzardo decide vender a fazenda para se mudar para o exterior, é obrigado a voltar para se informar do estado da propriedade abandonada há anos. Aqui começa a história de verdade, o conflito entre o certo e o errado, a descoberta do ser primitivo que habita o interior do homem e outros conflitos com personagens secundários.

A chegada de Luzardo abala Bárbara, certos sentimentos começam a surgir e ela reflete sobre si, sobre a sua vida, sobre tudo o que já fez e como será dali em diante. O enredo é muito bem construído, Bárbara cresce muito como personagem e conseguimos sentir empatia por ela.

Este é um livro interessantíssimo e até agora o meu preferido da América do Sul, fiquei muito feliz em compartilhá-lo aqui.

Gostou dessa resenha? Leia também A Casa dos Espíritos, que aborda um pouco sobre a ditadura no Chile!


Ficha Técnica:

Autor: Rómulo Gallegos

Editora: Record

Edição: 1

Ano: 1974

Encontre o livro aqui!



Categorias:Favoritos, Livro completo, Países, Resenha, Romance

Tags:, , , , , , , ,

2 respostas

Trackbacks

  1. Costa Rica: El Moto – Desafio Livros pelo Mundo
  2. Progressos – Desafio Livros pelo Mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: