Guiana: Palácio do Pavão

Resenha nº 12: Palácio do Pavão – Wilson Harris

A resenha de hoje é sobre uma obra da Guiana: Palácio do Pavão, escrita por Wilson Harris. A princípio, comprei o livro por ser a única opção acessível, mas li ótimas críticas a respeito. Além disso, alguns acadêmicos consideram Harris um grande escritor da língua inglesa, o que me impressionou e recomendou o livro para mim.

Esta obra pertence ao Guiana Quartet, um quarteto de obras que inclui também The Far Journey of Oudin (1961), The Whole Armour (1962) e The Secret Ladder (1963), obras-primas do autor que também publicou uma dezena de outros romances, ensaios e poesias.

A história se passa na época colonial, no século XVI, e apresenta um grupo multirracial (europeu, asiático, indígena e africano) que se aventura por um rio guianense rodeado por floresta em busca dos habitantes do povoado de Mariella, para trabalhar nas terras de seu esposo, Donne.

Donne é um colono nascido na Guiana, um homem cruel que lidera a expedição. Ele personifica a presença europeia no Caribe, preocupando-se apenas com o ganho pessoal e exploração da mão de obra nativa. Ao chegar no povoado, a tripulação do barco encontra apenas uma senhora que parece mágica, pois possui características místicas desconhecidas por eles. Os demais haviam sumido.

No decorrer da história, durante a busca dos habitantes desaparecidos, torna-se claro que esta não é a primeira vez que a tripulação segue este caminho, revelando-se que essas criaturas estão em algum nível entre a vida e a morte. Conforme eles seguem viagem, cada membro da tripulação encontra a morte final.

No terceiro dia, a comida acaba e alguns dos membros parecem imersos em alucinações, como se embriagados pela morte dos parceiros da jornada. É desse modo que Donne e os demais sobreviventes encontram seu fim, num ponto em que a narrativa é cheia de desvarios.

Antes disso, porém, em uma das paradas para descansar na margem do rio, Donne acorda e percebe que parte da tripulação partiu. Desse modo, decide seguir a viagem com outros dois membros. Os dissidentes são o irmão de Donne, que não tem nome mas narra quase toda a história, Vigilance e a senhora Arawak encontrada no povoado. Eles seguem para a floresta e chegam ao Palácio do Pavão, onde o irmão de Donne percebe que os tripulantes ressuscitados e o povo estão juntos, desintegrando-se.

Em termos de escrita, deve-se admitir que é bonita, pois Harris se preocupa com a estética. Por outro lado, o autor reluta em contar uma história linear e abusa de alegorias, o que dá um toque surrealista à sua obra.

A conclusão é que esse livro não é para iniciantes (risos). Apesar de ser uma obra curta, é de considerável complexidade e requer sensibilidade na leitura. No meu caso, acredito que eu não estava preparada, não pude apreciá-lo pela dificuldade em entender e/ou por eu me distrair demais. Penso que eu devo tentar novamente em algum outro momento.

Para escrever esta resenha, apelei à internet para esclarecer alguns pontos da história. É interessante notar que as referências em português para o livro são quase inexistentes, mas em inglês a busca é bastante produtiva.

Contudo, vale lembrar que o objetivo do desafio é exatamente esse: sair da zona de conforto. Por isso, acredito que a leitura valeu a pena por me apresentar a uma obra surrealista. Antes disso, só tive acesso a este estilo em quadros. Para conhecer outros livros interessantes, curta a página do blog no Facebook, assim você fica por dentro de tudo 😉


Ficha Técnica:

Autor: Wilson Harris

Editora: Globo

Edição: 1

Ano: 1990

Adicione o livro no Skoob!



Categorias:Livro completo, Países, Resenha, Romance

Tags:, , , , , , , ,

2 respostas

Trackbacks

  1. Melhores do ano 2017! – Desafio Livros pelo Mundo
  2. Progressos – Desafio Livros pelo Mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: