A festa de Babette

Hoje a resenha é sobre A Festa de Babette, um conto da escritora dinamarquesa Karen Blixen. Li esse conto recentemente e lembrei dele quando vi o quadro “Interior” do pintor Vilhelm Hammershøi, no DailyArt. No quadro há uma mulher solitária em um quarto vazio, com decoração sóbria e simples, assim como sua vestimenta.

Interior pintura a oleo de Vilhelm Hammershøi no ano de 1898

Interior. Vilhelm Hammershøi. 1898. Pintura a óleo. 51,5 cm x 46 cm. Domínio Público.

No conto, ambientado na Noruega, Blixen narra a vida de duas irmãs solteiras, Martine e Philippa, cujo pai era um pastor muito querido em sua comunidade e rígido com os dogmas. Após a morte do pai, elas mantiveram um estilo de vida singelo, sem prazeres, dedicado totalmente à caridade.

A rotina era calma e simples, até o dia em que uma mulher francesa esbaforida chega à sua porta com uma carta na mão pedindo refúgio. Babette assustou as irmãs, mas bondade das norueguesas não lhes permitiu negar ajuda à estrangeira.

Babette lutou na revolução francesa, por isso fugiu da França, mas antes disso cozinhava em um dos restaurantes mais elegantes de Paris. Na Noruega a culinária era muito mais simples, mas mesmo assim ela foi capaz de administrar o lar com muito mais eficiência e permitir que as irmãs se dedicassem ainda mais às suas obras de caridade.

Após 12 anos passados na mesma rotina, Babette recebe a notícia de que seu número foi sorteado na loteria francesa, pois um amigo continuava a jogar para ela durante o exílio. Ao receber a quantia de 10 mil francos, Babette decide fazer um jantar com pratos franceses para as irmãs e os convidados que viriam comemorar o aniversário póstumo do pai delas.

As irmãs aceitam, mas quando os preparativos se iniciam elas começam a ficar preocupadas com os ingredientes exóticos e abundantes que chegam do porto, causando algumas situações cômicas.

No entanto, a perícia de Babette no fogão transformou essa noite em uma experiência mágica, para gozo da cozinheira. A francesa sentia falta de deliciar as pessoas com suas habilidades, desejou fazer o banquete não apenas como agradecimento por todos os anos de convivência, mas também para sua própria realização pessoal.

Por ser um conto, o livro é bem curtinho, com 44 páginas apenas. A escrita é delicada e a narrativa é comovente. A leitura foi bem agradável e despertou o meu interesse por outras obras da autora, que tem uma biografia bem interessante. Não deixe de ler e comentar se também achou que o quadro tem tudo a ver com a história!


Ficha Técnica:

Autor: Karen Blixen

Editora: Cosac Naify

Edição: 14

Ano: 2014

Adicione o livro no Skoob!

 



Categorias:Contos, Resenha, Sem categoria

Tags:, , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: